top of page

Presidente da FIFA propõe derrota automática para casos de racismo




O presidente da Fifa, Gianni Infantino, pediu proibições nos estádios de todo o mundo para espectadores racistas e “derrota automática” para equipes cujos torcedores tenham condutas “abomináveis”, após incidentes de racismo em jogos na Inglaterra e na Itália, no sábado, 20. Infantino declarou que não há lugar para discriminação no futebol e na sociedade em geral. “Os eventos ocorridos em Udine e Sheffield no sábado são totalmente abomináveis e completamente inaceitáveis”, afirmou o dirigente em um comunicado. “Os jogadores afetados pelos acontecimentos de sábado têm o meu total apoio”, acrescentou. O presidente da Fifa sugeriu um processo em três etapas: interromper a partida, voltar a interrompê-la depois de reiniciada e encerrá-la se a má conduta persistir. Adicionalmente, “temos que implementar uma derrota automática para o time cujos torcedores cometeram racismo e causaram o encerramento da partida, bem como proibições mundiais nos estádios e acusações criminais para racistas”.

“A Fifa e o futebol mostram total solidariedade às vítimas do racismo e de qualquer forma de discriminação. De uma vez por todas: Não ao racismo! Não a qualquer forma de discriminação!”. Episódios de racismo são frequentes no futebol italiano. Maignan inclusive já foi alvo de discriminação de torcedores da Juventus (2021) e do Cagliari (2022). “São pessoas estúpidas… Você pode ser vaiado pela torcida adversária quando joga fora de casa, é normal, mas imitar gritos de macaco…”, lamentou o goleiro. No sábado, torcedores no estádio Friuli, em Udine, ofenderam o goleiro francês Mike Maignan, do Milan, durante a vitória do time ‘rossonero’ sobre a Udinese por 3 a 2. O incidente fez o árbitro interromper a partida por alguns minutos. “Precisamos que todas as partes interessadas relevantes tomem medidas, começando pela educação nas escolas, para que as gerações futuras compreendam que isto não faz parte do futebol e da sociedade”, declarou Infantino.

No jogo contra a Udinese, Maignan já tinha advertido o árbitro no primeiro tempo sobre o que estava acontecendo nas arquibancadas e, minutos depois, decidiu deixar o campo, acompanhado por seus companheiros de equipe. Todos eles permaneceram alguns instantes à beira do gramado, com os jogadores do Milan prestando apoio a Maignan. Depois de cinco minutos, o jogo foi reiniciado. “É preciso mostrar ao árbitro e a todo o mundo que temos que agir assim”, reclamou o francês. “Como é possível que em 2024, num estádio onde você vai assistir a um espetáculo, ainda se ouçam cânticos racistas? O problema, a meu ver, é cultural: não me surpreendo mais porque neste país a ignorância triunfa e o racismo sempre andou de mãos dadas com a ignorância”, escreveu Sacchi em sua coluna no jornal Gazzetta dello Sport.

bottom of page