top of page

Lucro do BNDES cai 45% no 1º semestre e recua para R$ 3,7 bilhões


A diretoria do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) apresentou nesta quarta-feira, 16, os resultados do primeiro semestre de 2023. O lucro recorrente do órgão foi de R$ 3,7 bilhões no período, valor que representa retração de 45% em relação ao primeiro semestre de 2022. Segundo Alexandre Abreu, diretor Financeiro e de Crédito Digital do Banco, a queda esteve relacionada à redução de caixa motivada pelo pagamento de dívidas com o governo. Foram devolvidos R$ 72 bilhões ao Tesouro Nacional em 2022. “O valor estava no caixa, quando tira, perdemos a receita. É a principal explicação para a queda no lucro recorrente“, esclareceu. Já o lucro líquido contábil foi de R$ 9,5 bilhões no primeiro semestre do ano. A diferença entre o lucro recorrente e o lucro líquido contábil ocorre por conta de efeitos não recorrentes sobre os resultados financeiros, segundo a diretoria do BNDES. Entre eles, estão o pagamento de dividendos da Petrobras. O valor para desembolsos para financiamentos chegaram a R$ 40,6 bilhões no primeiro semestre, crescimento de 22% em relação ao mesmo período do ano anterior. Considerando o mês de julho, o valor sobe para R$ 50,2 bilhões, o que representa alta de 31%. As consultas, que representam primeira etapa do processo de financiamento, chegaram a R$ 126,8 bilhões, aumento de 151% em relação a 2022.O diretor afirmou que esta foi a maior variação semestral da série histórica do BNDES.

Comentários


bottom of page