top of page

Lista da Forbes: os 10 maiores bilionários do Brasil

Foi um ano tímido para o mercado financeiro e para economia dentro e fora do Brasil e assim foi para os bilionários brasileiros.


A lista da Forbes de 2022 tem 290 nomes e mostra que o patrimônio dos afortunados do país foi fortemente impactado pela erosão de cotações que atingiu a maior parte das companhias nacionais negociadas em Bolsa.


A queda no valor de mercado das empresas abertas nos últimos meses tirou 26 nomes da lista deste ano. Outros três deixaram a liga dos bilionários solo para se juntarem às suas famílias


Outro fator foi a severa estiagem de ofertas públicas na Bolsa brasileira neste ano: depois de um número recorde de 46 IPOs  em 2021, nenhuma empresa se aventurou a abrir o capital no Brasil neste ano. Dezenas de processos foram pausados ou cancelados devido às condições desfavoráveis de mercado. Com isso, o número de novos bilionários de 2022 foi o menor da história da lista brasileira: apenas sete brasileiros se juntaram ao time neste ano.


O cenário econômico e financeiro também se manifestou na variação do patrimônio dos brasileiros mais ricos: cerca de 75% das fortunas apresentaram decréscimo neste ano, devido à cotação das ações de suas companhias na data de corte da lista, no final de maio. Foi o pior desempenho médio desde a primeira edição da versão brasileira da lista da Forbes, há dez anos.


1. Jorge Paulo Lemann

R$ 72 bilhões (-)

Idade: 82 anos

Nascimento: Rio de Janeiro

Origem do patrimônio: AB Inbev/3G Capital


Depois de perder a liderança da lista brasileira para Eduardo Saverin em 2021, Jorge Paulo Lemann retomou a pole-position neste ano, mesmo com uma queda significativa de patrimônio. Por meio do fundo de investimentos 3G Capital, Lemann é acionista controlador da gigante cervejeira AB Inbev, além de deter participações em conglomerados internacionais como Kraft Heinz e Restaurant Brands International (leia-se Burger King e Tim Hortons). No Brasil, seu império inclui Lojas Americanas e São Carlos Empreendimentos. Nesta última empresa, um destaque entre os acionistas são os filhos de Lemann, assim como os filhos de seus sócios Marcel Telles e Carlos Sicupira.


2) Eduardo Saverin, 40 anos

Posição no ranking global: 185 (caiu)


Patrimônio líquido: US$ 10,6 bilhões (R$ 49,2 bilhões)


Eduardo Saverin cofundou o Facebook com o colega de Harvard Mark Zuckerberg em 2004. Agora no segmento de capital de risco, ele ainda obtém a maior parte de sua riqueza de sua pequena, mas valiosa, participação no Facebook. Em 2016, ele lançou o fundo de risco B Capital, com o veterano do BCG e da Bain Capital, Raj Ganguly. O fundo tem US$ 1,4 bilhão em ativos sob gestão. Nascido no Brasil, Saverin é residente de Cingapura desde que renunciou à cidadania americana em 2012, antes do IPO do Facebook.


3) Marcel Herrmann Telles, 72 anos

Posição no ranking global: 192 (caiu)


Patrimônio líquido: US$ 10,3 bilhões (R$ 47,8 bilhões)


Marcel Herrmann Telles também é um dos acionistas controladores da Anheuser-Busch InBev, a maior cervejaria do mundo, com participação minoritária. Os outros dois controladores são Carlos Alberto Sicupira e Jorge Paulo Lemann, ambos bilionários. Ele também tem ações da Restaurant Brands International, controladora do Burger King e da rede de café canadense Tim Hortons, e participação na 3G Capital, empresa de private equity, dona da Heinz.


4) Jorge Moll Filho, 77 anos, e família

Posição no ranking global: 206 (caiu)


Patrimônio líquido: US$ 9,8 bilhões (R$ 45,5 bilhões)


Jorge Neval Moll Filho é cardiologista e empresário que fundou a Rede D’Or, uma das maiores operadoras de hospitais e laboratórios do Brasil. Ele começou com um laboratório de diagnóstico por imagem em 1977. Em 2010, a Moll vendeu a subsidiária Labs D’Or para a Fleury SA, de capital aberto, por mais de US$ 750 milhões. Em 2015, a empresa de private equity Carlyle Group e o fundo soberano de Cingapura GIC compraram participações na Rede D’Or, por mais de US$ 500 milhões. Moll mora no Rio de Janeiro e é presidente do conselho de administração da Rede D’Or.


5) Carlos Alberto Sicupira, 74 anos, e família

Posição no ranking global: 251 (caiu)


Patrimônio líquido: US$ 8,5 bilhões (R$ 40,2 bilhões)


A maior parte da riqueza de Carlos “Beto” Sicupira vem de suas ações da Anheuser-Busch InBev, a maior cervejaria do mundo, com cerca de 3% de participação. Sicupira e seus sócios, Jorge Paulo Lemann e Marcel Herrmann Telles, ambos bilionários, também possuem participações na Restaurant Brands International, controladora do Burger King e da rede de café canadense Tim Hortons, além da Heinz.


6) Irmãos Safra

Posição no ranking global: 304 (subiu)


Patrimônio líquido: US$ 7,7 bilhões (R$ 35,8 bilhões)


Os quatro filhos adultos do falecido bancário brasileiro Joseph Safra, falecido em dezembro de 2020, herdaram pouco menos da metade de sua fortuna. Jacob Safra, 45, é responsável pelo banco suíço J. Safra Sarasin, pelo Safra National Bank de Nova York e pelos imóveis da família nos Estados Unidos.

David Safra, 36 anos, administra o Banco Safra no Brasil e as participações imobiliárias brasileiras do Grupo J. Safra. Alberto Safra, 41, deixou a diretoria do Banco Safra em 2019 e mora em São Paulo. Esther Safra Dayan, 43 anos, é casada com Carlos Dayan, filho de banqueiro brasileiro, e mora em São Paulo. A mãe dos irmãos e viúva de Joseph, a cidadã grega Vicky Safra, herdou cerca de US$ 7,4 bilhões da fortuna de Joseph.


7) Lucia Maggi, 89 anos, e família

Posição no ranking global: 350 (voltou para a lista)


Patrimônio líquido: US$ 6,9 bilhões (R$ 32 bilhões)


Lucia Borges Maggi é cofundadora do Grupo André Maggi, a Amaggi, um dos maiores produtores do agro brasileiro. A empresa atua na originação de grãos, produção de soja, milho e algodão, operações portuárias, rodoviárias e fluviais, e geração e comercialização de energia elétrica. A Amaggi nasceu em 1977. Hoje, a matriarca atua como membro consultivo do conselho de administração da empresa


8) André Esteves, 53 anos

Posição no ranking global: 438 (subiu)


Patrimônio líquido: US$ 5,8 bilhões (R$ 26,9 bilhões)


André Esteves começou sua carreira como estagiário no banco de investimentos brasileiro Pactual e acabou adquirindo o controle do banco. Esteves vendeu o Pactual para o gigante bancário suíço UBS em 2006 por US$ 3,1 bilhões, formando a subsidiária brasileira UBS Pactual. Em 2009, ele projetou a venda do UBS Pactual para a empresa de investimentos BTG e tornou-se presidente do conselho e CEO da nova empresa. Ele foi acusado de obstrução da justiça na Operação Lava Jato e ficou preso por quase três semanas em 2015. Em dezembro de 2018, foi absolvido das acusações e voltou ao BTG como um dos sócios controladores.


9) Alexandre Behring, 55

Posição no ranking global: 536 (caiu)


Patrimônio líquido: US$ 5,1 bilhões (R$ 23,7 bilhões)


Alexandre Behring é cofundador e sócio-gerente da 3G Capital, uma empresa de investimentos multibilionária nascida no Brasil e liderada pelos EUA. Ele preside a Kraft Heinz e é co-presidente da Restaurant Brands International, controladora do Burger King e da cadeia de café canadense Tim Hortons. Tendo entrado na lista de bilionários da Forbes pela primeira vez em 2020, Behring é uma figura bem conhecida no mundo de private equity. Seus sócios na 3G Capital incluem os bilionários Jorge Paulo Lemann, Marcel Telles e Carlos Alberto Sicupira. A 3G Capital tem participações na Kraft Heinz e na Restaurant Brands International.


10) Luciano Hang, 59 anos

Posição no ranking global: 586 (subiu)


Patrimônio líquido: US$ 4,8 bilhões (R$ 22,3 bilhões)


Luciano Hang conseguiu sucesso com a rede de lojas de departamento Havan, concentrando-se fortemente em lojas físicas, em vez de vendas online. Ele cofundou a Havan em 1986 e hoje emprega cerca de 20 mil pessoas em 155 localidades, todas em cidades brasileiras de pequeno e médio porte. Hang comprou as participações de seu sócio inicial e hoje possui quase toda a Havan, que teve cerca de US$ 1,9 bilhão em receitas em 2020.


11) Joesley Batista, 50 anos

Posição no ranking global: 665 (subiu)


Patrimônio líquido: US$ 4,3 bilhões (R$ 19,9 bilhões)


Joesley Batista é um dos dois irmãos bilionários que controlam a JBS S.A., de capital aberto, uma das maiores empresas de processamento de carnes do mundo. Joesley e seu irmão Wesley assumiram o controle nos anos 2000, liderando a aquisição da processadora de carne suína e bovina norte-americana Swift & Co. em 2007 por US$ 225 milhões.


11) Wesley Batista, 49 anos

Posição no ranking global: 665 (subiu)


Patrimônio líquido: US$ 4,3 bilhões (R$ 19,9 bilhões)


Wesley Batista tem a mesma participação do irmão Joesley, os dois irmãos bilionários que controlam a JBS S.A., de capital aberto e uma das maiores empresas de processamento de carnes do mundo. Seu pai, José Batista Sobrinho, fundou um pequeno açougue na região central do Brasil em 1953 e cresceu com a aquisição de frigoríficos na região. Wesley e seu irmão Joesley assumiram o controle da empresa nos anos 2000, liderando a aquisição pela JBS da processadora de carne suína e bovina norte-americana Swift & Co. em 2007 por US$ 225 milhões.


12) Ermírio Pereira de Moraes, 89 anos, e família

Posição no ranking global: 709 (subiu)


Patrimônio líquido: US$ 4,1 bilhões (R$ 19 bilhões)


O falecido pai de Ermírio Pereira de Moraes, José Ermírio de Moraes, fundou o Grupo Votorantim, de propriedade familiar, um dos maiores conglomerados do Brasil. A empresa atua em mais de 20 países nos setores de papel e celulose, agronegócio, energia, alumínio e cimento.


12) Maria Helena Moraes Scripilliti, 91 anos, e família

Posição no ranking global: 709 (subiu)


Patrimônio líquido: US$ 4,1 bilhões (R$ 19 bilhões)


Maria Helena Moraes Scripilliti é uma das herdeiras de José Ermírio de Moraes, fundador do Grupo Votorantim, de propriedade familiar, um dos maiores conglomerados do Brasil. A empresa atua nos setores de alumínio, papel e celulose, energia, agronegócio e cimento.


13) Walter Faria, 67 anos

Posição no ranking global: 913 (subiu)


Patrimônio líquido: US$ 3,3 bilhões (R$ 15,3 bilhões)


O veterano da indústria cervejeira Walter Faria comprou o Grupo Petrópolis em 1998 e o transformou em uma das maiores empresas de cerveja e bebidas do Brasil. Seu Grupo Petrópolis produz a cerveja Itaipava, uma das mais populares do Brasil. É a única grande cervejaria do país que é 100% brasileira.


13) Miguel Krigsner, 72 anos

Posição no ranking global: 913 (subiu)


Patrimônio líquido: US$ 3,3 bilhões (R$ 15,3 bilhões)


O boliviano Miguel Krigsner fundou o Grupo Boticário, a segunda maior empresa de cosméticos do Brasil atrás da número um, a Natura. O Grupo Boticário atua no Brasil e em outros sete países. Krigsner detém quase 80% da empresa de US$ 1,15 bilhão (receitas).

Seu cunhado, Artur Grynbaum, ingressou como assistente financeiro e chegou a CEO do grupo. Ele detém cerca de 20% do grupo.

Em 1990, Krigsner criou a Fundação Boticário de Proteção a Natureza, que recebe cerca de 1% da receita líquida do Grupo Boticário anualmente.


4) Cândido Pinheiro Koren de Lima, 75 anos

Posição no ranking global: 951 (caiu)


Patrimônio líquido: US$ 3,2 bilhões (R$ 14,8 bilhões)


Pinheiro Koren de Lima, um oncologista, usou o dinheiro que economizou de sua prática médica para abrir um hospital na cidade brasileira de Fortaleza em 1986. Ao longo dos anos, ele acrescentou mais hospitais, depois clínicas de saúde e, eventualmente, seguros de saúde, criando o que hoje é o Grupo Hapvida. Ele abriu o capital da Hapvida em abril de 2018 na bolsa de valores de São Paulo e é o presidente do grupo, com seus Jorge e Candido Junior, também bilionários, fazendo parte do conselho de administração. A empresa possui 25 hospitais em pelo menos 11 estados brasileiros diferentes.





bottom of page