top of page

FMI admite preocupação econômica com ‘agitação civil’ no Brasil e no Peru

A diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva, alertou nesta quinta-feira, 12, que existe uma preocupação com a “agitação civil” em países como Brasil e Peru, o que poderia levar a uma desaceleração econômica na região. “Há preocupação com os acontecimentos nas frentes de agitação civil. O que vimos na América Latina durante o último ano é uma mudança política bastante significativa e está impulsionada por fatores econômicos subjacentes na América Latina. Se está por ver se isso leva a uma maior desaceleração”, declarou Georgieva em um encontro com um grupo de jornalistas. Segundo o último relatório do FMI sobre as Perspectivas Econômicas Mundiais, que será revisado no final deste mês, a região crescerá apenas 1,7% este ano, mas quase todos os países – exceto o Chile – conseguirão se safar da recessão. Portanto, a região não entra nas projeções do órgão que alertam que este ano um terço da economia mundial entrará em recessão. “O que é realmente decepcionante é que a América Latina tem um potencial tão grande para crescer (…) É uma história de potencial subaproveitado”, acrescentou.


Nesse sentido, Georgieva destacou que as possíveis consequências da agitação civil devem ser observadas de perto. “O que vemos no início do ano é que a coesão social não está garantida e vemos mal-estar social por diferentes razões. É apenas 12 de janeiro e temos Brasil, Peru, Bolívia, Colômbia, Reino Unido… todos por razões diferentes, mas com claras tensões sociais (…) O que isso significa no futuro é obviamente muito cedo para dizer, mas acho que temos que observar”, considerou. A diretora-gerente do Fundo previu um ano difícil para a economia mundial e, uma vez que o trabalho dos bancos centrais “ainda não está feito” e “terão de continuar pressionando para alcançar a estabilidade de preços”, ainda não se conhece as consequências reais no mercado de trabalho, o que pode aumentar as tensões.


*Com informações da EFE

bottom of page