top of page

China inicia preparação para enviar tripulação à Lua antes de 2030


Em preparo para mandar um voo tripulado à Lua antes de 2030, a China vai lançar o Shenzou-16, nesta terça-feira, 30, que vai transportar um astronauta civil ao espaço pela primeira vez para uma missão na estação Tiangong. Outros dois astronautas também serão enviados. Até o momento, todos os astronautas chineses enviados ao espaço eram integrantes do Exército Popular de Libertação. Nesta segunda-feira, 29, o porta voz da Agência Espacial de Voos Tripulados, Lin Xiqiang, anunciou que o professor de Aeronáutica e Astronáutica na Universidade Beihang, Gui Haichao, de 34 anos, vai conduzir testes científicos durante a missão.


O astronauta será responsável por “experimentos em órbita de larga escala para estudar novos fenômenos quânticos, sistemas espaciais de tempo-frequência de alta precisão, a verificação da relatividade geral e a origem da vida”, acrescentou o porta-voz. “Sempre sonhei com isto”, declarou Gui em uma entrevista coletiva. A decolagem está prevista para 9h31 (22h31 de Brasília nesta segunda-feira) no Centro Jiuguan de Lançamento de Satélites. O comandante da missão será Jing Haipeng – em sua quarta missão espacial – e o terceiro tripulante será o engenheiro Zhu Yangzhu.


De acordo com Lin, Gui será “o principal responsável pela operação em órbita das cargas experimentais de ciência espacial”, destacou. Durante o governo do presidente Xi Jinping, a China intensificou as operações para conquistar o “sonho espacial”. A segunda maior economia do mundo investiu no programa espacial, comandado pelos militares, com a esperança de enviar astronautas à Lua. Pequim tenta alcançar Estados Unidos e Rússia depois de anos de atraso.


Além de uma estação espacial, a China planeja construir uma base na lua. A Agência Espacial pretende concretizar uma missão lunar tripulada até 2030. “O principal objetivo é fazer um primeiro pouso (com tripulação) na Lua até 2030 e concretizar uma exploração científica lunar, além de uma análise em termos de tecnologia”, disse o porta-voz Lin Xiqiang.


*Com informações da AFP.

Comentarios


bottom of page