top of page

Banco Central conseguiu suavizar a inflação sem derrubar a economia


O trabalho do Banco Central na condução da política monetária foi elogiado pelo diretor de pesquisa macroeconômica para a América Latina do Goldman Sachs, Alberto Ramos. Em entrevista ao Jornal Valor Econômico, publicada nesta terça-feira, 1º, o executivo avaliou que o órgão brasileiro conseguiu fazer algo que outras autoridades monetárias tentaram e falharam: controlar a inflação de forma suave, ancorando as expectativas. Ele defendeu o trabalho do BC como notável, ao não ceder à pressões políticas para baixar os juros, em um arrocho de algo custo econômico e social. “Claramente o BC resolveu fazer uma suavização e distender o processo de convergência de inflação para a meta. Quando a inflação atingiu dois dígitos, para trazer a inflação para a meta no final deste ano, o BC teria de dar um choque de juros, um arrocho de juros monumental. Iria derrubar a economia, validar uma mega recessão, com impacto no mercado de trabalho e social profundo. Acelerar a convergência me parece que teria um custo econômico e social muito elevado. Então, o BC decidiu colocar a política monetária num campo claramente restritivo e garantir essa convergência em um cenário de 18 meses, de seis a oito trimestres. Achei superrazoável e também uma decisão que faz parte do mandato do BC, que tem uma meta primordial de ancorar a inflação na meta, mas também de suavizar os ciclos econômicos. Muitas das críticas ao Banco Central acho que não procedem”, disse em entrevista ao Valor Econômico.

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page